Proteção de Dados alerta para aplicação não oficial eFatura

Aplicação disponível para smartphones permite validar faturas mas não é da Autoridade Tributária, ainda que muitos julguem que se trata de uma ferramenta das Finanças

Há uma aplicação para smartphones que permite ver dados pessoais do E-Fatura, mas não é da Autoridade Tributária, ainda que os contribuintes possam ter acesso aos dados no portal das Finanças. Trata-se da eFatura, desenvolvida em 2013 por dois programadores de software, conta o jornal Público, que a gerem em part-time.

Ainda que os autores garantam que a informação fiscal dos contribuintes não fica guardada e que não têm acesso à mesma, a Comissão Nacional da Proteção de Dados recomenda cautela na utilização, já que muitos portugueses recorrem à aplicação para gerir e validar as faturas julgando que se trata de uma ferramenta da Autoridade Tributária, quando não é esse o caso.

Ao Público, a Autoridade Tributária diz-se "alheia à criação e desenvolvimento" da app, referindo que já comunicou a existência da aplicação às "autoridades competentes", sem acrescentar explicações. A Comissão de Dados tomou conhecimento em 2016, quando foi contactada pela administração fiscal, mas o Ministério das Finanças não esclarece se foram feitas diligências no sentido de autorizar ou não a aplicação.

Os dois autores da app, Paulo Fernandes e Jorge Miguel, sublinham que se trata de uma ferramenta não oficial e garantem que o processo é todo feito dentro do smartphone. "Nunca vemos nada - nem passwords, nem usernames, nem informação. A aplicação eFatura tem duas versões, uma gratuita, com publicidade, e outra paga, que oferece aos utilizadores outras funcionalidades.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.