Propostas do PS não são à Syriza, diz Lobo Xavier

Centrista afirmou na Quadratura do Círculo que o plano socialista é "europeísta" e "respeitador dos compromissos"

"Não consigo pôr-me aos gritos a dizer que este é um programa que vai arruinar Portugal", afirmou António Lobo Xavier, antigo dirigente do CDS, logo na abertura do programa semanal Quadratura do Círculo, da SIC Notícias. Começando por afirmar que ainda não era claro "se isto já é um produto oficial do PS ou se é apenas uma proposta, uma base de trabalho", o centrista considerou que o programa "Uma década para Portugal" posiciona o partido de António Costa "num terreno moderado, europeísta, respeitador dos compromissos". Usando o governo grego como exemplo, Lobo Xavier observou que as propostas socialistas não são "propostas à Syriza" e que este não é um programa "dramático". "Aquilo que o PS quer é algo que é moderado e é algo que se pode apresentar aos eleitores. Não é nada de dramático", considerou. Sintetizando, o centrista afirmou que o que está essencialmente em causa no programa apresentado esta quarta-feira é "a possibilidade de termos mais tempo para fazer o ajustamento", acrescentando: "Acho que se for possível uma consolidação com menos dureza as pessoas preferem." Fica por responder "o que acontece à balança de pagamentos, de importações e exportações", observou Lobo Xavier, dizendo que aquele é um programa "com poucas soluções ao nível do crescimento económico".

Já Manuela Ferreira Leite, no programa de opinião semanal da TVI24, considerou a alternativa socialista como "séria, mas tem de ser discutida". Sobre a baixa da TSU, a antiga líder do PSD e ex-ministra das Finanças disse que o problema da segurança social não pode ser tratado "com medidas soltas", afirmando que essa orientação tem sido comum ao PS e ao PSD.