Proibir touradas? "É folclore mediático"

Prótoiro desvaloriza nova investida do PAN para proibir corridas de toiros. "É mais uma ação desesperada de um partido em luta pela sobrevivência", diz a federação

A Prótoiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia desvaloriza a mais recente e já esperada iniciativa do PAN para tentar proibir a Tourada em Portugal. "Trata-se de uma rotina demagógica, fundamentada em mentiras, que ataca a Constituição da República Portuguesa", afirmam os responsáveis, em comunicado enviado ao DN, acrescentando que esta "representa uma nova iniciativa antidemocrática de um partido desesperado e cada vez mais extremado na luta pela sobrevivência".

"A identidade de um povo, ao contrário do que defende o PAN, manifesta-se pelo respeito da diversidade cultural e não pela imposição de uma ideologia única", defendem, considrando mesmo que esta vontade "manifestada nesta posição radical" contraria o n.º 2, do art. 43º da Constituição, segundo o qual "o Estado não pode programar a Educação e a Cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas".

Além de alertar para a questão legal, a Prótoiro faz ainda questão de desmontar os argumentos do PAN, vincando mesmo que, não sendo esta a primeira vez que a Assembleia da República debate a proibição de touradas em Portugal, esta tem sido rejeitada por esmagadora maioria, como aconteceu em 2011, quando cerca de 80% dos deputados votaram pela manutenção do espetáculo.

"Em 2017, realizaram-se 205 espetáculos tauromáquicos em 80 municípios e não 181 em 44 conforme refere o PAN. Estes espetáculos realizaram-se em 15 distritos de norte a sul do país, além da Região Autónoma dos Açores. E no ano passado registou-se um aumento de 1,8 % do número de espectadores em touradas para um total de 435 660. Não contabilizados estão os mais de mil eventos de tauromaquia popular que se realizam por todo o país, como a Vaca das Cordas (Ponte de Lima), a Capeia Arraiana (Sabugal), as largadas de toiros (Ribatejo) e as Touradas à Corda (Açores)."

As estimativas da Prótoiro apontam para três milhões de pessoas envolvidas em eventos tauromáquicos em todo o território nacional no ano passado. "A Prótoiro compreende o folclore agora proposto por um partido que apenas tenta aumentar desesperadamente a sua visibilidade. Não representa mais de 75 mil pessoas em todo o país e procura com estas investidas lutar pela sobrevivência. Quer inverter a queda nas sondagens e evitar o desaparecimento do único deputado com assento parlamentar", critica ainda. E diz-se confiante de que esta nova iniciativa terá o mesmo desfecho das anteriores: um chumbo representativo de "uma demonstração clara da defesa dos valores da democracia e da liberdade cultural".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.