Pesca da sardinha continua. Campanha começa mais tarde

Está afastado um cenário de paragem total, mas haverá um maior controlo e poderão ser identificadas áreas onde não será permitido pescar

A pesca da sardinha vai começar um mês mais tarde em 2018 e de forma mais controlada, disse a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

"Afastámos definitivamente o cenário de acabar com a pesca" da sardinha, sublinhou a ministra, citada pela Lusa, sublinhando que houve um acordo para que seja feita de modo controlado e sustentado.

O anúncio foi feito após uma reunião trilateral com a sua homóloga espanhola, o comissário europeu para o setor e o diretor-geral das Pescas da Comissão Europeia, e acordado entre as duas capitais -- e com o aval de Bruxelas -- que a campanha da sardinha começará no início de maio.

Segundo o plano traçado por Portugal e Espanha, haverá mais controlo, sendo estabelecidas "área de não pesca se foram identificados juvenis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.