Professores penduraram bengalas frente a Ministério

Exigem regime especial de aposentações

Professores penduraram bengalas nas árvores em frente ao Ministério da Educação, em Lisboa, onde entregaram cerca de 12.000 postais a exigir um regime especial de aposentação ao fim de 36 anos de serviço, sem penalização.

"Queremos a aposentação muito antes do caixão", voltaram a gritar os docentes concentrados na avenida 5 de outubro, numa iniciativa promovida pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

Dezenas de dirigentes e delegados sindicais defenderam que a medida permitiria dar emprego aos docentes mais jovens e proporcionar um fim de carreira digno aos mais velhos.

"Os alunos também merecem ter professores mais novos", disse aos jornalistas no local o secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira.

Os sindicatos da Fenprof cumprem hoje uma jornada de luta que os levará durante a tarde à Assembleia da República, onde assistirão à discussão de uma petição promovida pela estrutura sindical que recolheu mais de 20.000 assinaturas em defesa de melhores condições de trabalho e aposentação.

"Sem educação, a geringonça funciona a carvão", lia-se num cartaz envergado por um professor na concentração frente ao ministério, onde foi instalado um marco de correio para assinalar a entrega dos postais.

A realização de uma greve em junho, época de exames, continua a ser admitida pela Fenprof, caso não haja resposta da tutela aos pedidos de negociação desta e de outras matérias.

Segundo Mário Nogueira, está nas mãos do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, evitar uma greve neste "período sensível".

"A nossa abertura é completa [para negociar], mas do outro lado só tem havido silêncio", lamentou.

A Fenprof, tal como outras estruturas sindicais, tem insistido na necessidade de descongelamento das carreiras em janeiro e de serem realizados novos concursos de vinculação aos quadros para professores contratados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.