Professores das AEC já podem concorrer em segunda prioridade

Ministério da Educação alterou orientações para que o tempo de serviço em atividades de enriquecimento curricular (AEC) não contasse para os concursos de contratação, o que atirava docentes para fundo das listas

O MInistério da Educação recuou na recusa da colocação em segunda prioridade, nos concursos de contratação, dos professores com serviço prestado em atividades de enriquecimento curricular nas escolas (AEC) da sua rede. A decisão foi confirmada pela Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), numa nota enviada às escolas. A Fenprof, que deu conta desta novidade, considerou-a um exemplo de que "vale a pena lutar", numa alusão à manifestação de 19 de Maio.

Os professores das AEC estavam entre os mais numerosos e ruidosos no protesto do passado fim de semana, em Lisboa, já que a recusa da contagem do tempo de serviço nestas atividades atiraria a maioria dos que estão ou estiveram nesta oferta educativa para a terceira prioridade dos concursdos, com poucas hipóteses de colocação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.