Professores contratados só conseguiram 2300 horários completos

A grande maioria dos cerca de 14 mil horários anuais e completos indicados pelas escolas foram ocupados pelos professores dos quadros

Mais de 3000 professores contratados conseguiram entrar nos quadros do Ministério da Educação nos concursos deste ano. No entanto, como se previa, para quem ficou de fora as hipóteses de colocação numa escola baixaram significativamente: entre cerca de 14 mil horários anuais e completos pedidos pelos estabelecimentos de ensino, apenas 2300 foram ocupados por contratados a termo, de acordo com dados divulgados esta tarde pelo Ministério.

Para o Ministério, o diminuto número de lugares anuais e completos ocupados por contratados a termo é um bom sinal: "Esta é a demonstração inequívoca do efetivo combate à precariedade do corpo docente", considera.

Refira-se que é a primeira vez que as listas dos professores contratados nos concursos nacionais são divulgadas antes do mês de agosto. Seguem-se as chamadas "reservas de recrutamento", para preencher lugares que entretanto venham a ser libertados nas escolas (por situações como baixas e aposentações), sendo que de acordo com o Ministério a primeira terá lugar ainda antes do início do ano letivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.