Professor de música condenado a seis anos de prisão por abusar de alunas

"É indescritível o que fez, é imperdoável, marcou para sempre as crianças", disse, durante a leitura do acórdão, o presidente do coletivo de juízes.

Um professor de música numa instituição evangélica do Porto de 62 anos foi hoje condenado a seis anos e três meses de prisão por abusar sexualmente de alunas.

O Tribunal São João Novo, no Porto, sentenciou ainda o arguido, em prisão preventiva, medida de coação mais gravosa, ao pagamento de uma indemnização de 25 mil euros a uma das vítimas.

"É indescritível o que fez, é imperdoável, marcou para sempre as crianças", disse, durante a leitura do acórdão, o presidente do coletivo de juízes.

O professor de música, que lecionava aulas práticas a jovens com idades entre os 12 e 16 anos, aproveitava os momentos em que ficava a sós com as vítimas, todas raparigas, para lhes exibir filmes de cariz pornográfico e as sujeitar a agressões sexuais.

Os crimes, que ocorreram no interior do seu gabinete, em 2015, foram dados como provados, depois de também o arguido ter reconhecido alguns deles em audiência de julgamento.

Dizendo que o homem ainda não interiorizou o que fez, o juiz disse esperar que o período de reclusão o ajude a repensar na sua vida.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.