Procura no profissional é tanta que já há turmas cheias para cursos ainda por aprovar

Via profissional tem cinco vezes mais alunos inscritos do que há dez anos e continua a atrair cada vez mais.

O ensino profissional continua a afirmar-se como uma opção para os jovens portugueses que querem completar a escolaridade obrigatória. Em dez anos, esta via de ensino aumento cinco vezes o número de inscritos, passando de 34 399, em 2004, para 177 699, no ano passado. Os números são reveladores do sucesso que promete manter-se. Neste momento, as escolas já estão a receber pré-inscrições para o próximo ano letivo e ainda antes das turmas estarem aprovadas, já estão cheias.

"Já tenho alunos para fazer duas turmas, mas sei que só devo ter uma aprovada e por isso vou ter de fazer seleção", exemplifica o diretor da Escola Secundária Eça de Queirós, na Póvoa de Varzim. José Eduardo Lemos só oferece na sua escola um curso profissional, o de Técnico de Multimédia, e por isso acredita que este será novamente aprovado pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Na mesma situação está a Escola Profissional de Tondela que abriu pré-inscrições para os seus cursos, que até foram aprovados previamente de acordo com a estratégia regional de procura e oferta. "Em termos de região os cursos foram aprovados e agora esperamos só a aprovação formal do ministério, mas à partida a oferta submetida será aprovada", acredita o diretor da escola José António Dias.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.