Processos pendentes nos tribunais de 1.ª instância baixaram 9% em 2015

Números são da Direção-Geral da Política de Justiça

O número de processos pendentes nos tribunais judiciais de 1.ª instância era de 1.311.138 a 31 de dezembro de 2015, resultando num decréscimo de 9% face a 2014, indicam as estatísticas da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ).

Segundo os mesmos dados, entre 2012 e 2015 registou-se uma quebra de 22,8%, depois de, no final de 2012, terem sido contabilizados 1.698.733 processos pendentes.

Na justiça cível, a duração média dos processos findos em 2015 foi de 32 meses, enquanto na justiça penal foi de 9 meses e na justiça laboral de 12 meses (valor idêntico ao registado em 2007).

A justiça tutelar registou, em 2015, uma duração média dos processos findos igual à registada em 2007, ou seja 12 meses.

Segundo a DGPJ, na área processual cível, em 2015 e face a 2014, verificou-se um aumento do número de processos findos, tendo contribuído para isso o comportamento das ações declarativas.

No conjunto das ações declarativas, as ações para cumprimento de contratos e outras obrigações foram as que apresentaram maior peso, apesar de esse peso registar uma tendência de decréscimo entre 2007 e 2015, baixando de 48,6% do total das ações declarativas findas em 2007 para 26,7% em 2015.

Os dados indicam também que entre 2007 e 2015 registou-se um aumento de 460,3% no número de insolvências decretadas nos tribunais judiciais de 1.ª instância, tendo o peso das pessoas singulares no total dos processos passado de 18,2%, em 2007, para 70% em 2015, ou seja mais do que uma triplicação do peso.

Na área processual penal, o total de processos-crime em fase de julgamento findos diminuiu de 34,3%, entre 2007 e 2015, tendo os crimes rodoviários ocupado, em 2015, um lugar de destaque nos tipos de crimes julgados, com cerca de 28,8 do peso total.

Relativamente à área processual laboral, o número de ações findas cresceu 9,3% entre 2007 e 2015. Em qualquer dos anos considerados, as ações especiais, como, por exemplo, as ações de acidente de trabalho ou doença profissional, foram aquelas que tiveram maior expressão, representando, em 2015, 62,3% dos processos laborais findos.

Em 2015 contabilizaram-se 58.866 processos tutelares cíveis, 3050 processos de promoção e proteção e 820 processos tutelares educativos, sendo os primeiros os que, de forma clara, evidenciam um peso mais elevado na Justiça Tutelar no período 2007-2015.

Contudo, o seu peso diminuiu ligeiramente de 94,1% em 2007 para 93,8% em 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.