Processo de Pedrogão tem novos arguidos

Procuradoria-Geral da República anuncia que a investigação está num estado "avançado" e que deverá estar concluída "no prazo de dois meses"

São, agora, dez os arguidos no processo judicial que investiga os incêndios de Pedrógão Grande. No próximo dia 17 fará exatamente um ano que os fogos naquela região provocaram a morte de 66 pessoas, ferindo outras 250. Foram destruídas cerca de 500 casas.

Neste inquérito investiga-se a possibilidade de terem ocorrido crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência.

O Ministério Público, do Departamento de Investigação e Acção Penal de Leiria, investiga desde então "as circunstâncias que rodearam os incêndios",

"No âmbito deste inquérito foram realizadas inúmeras diligências, sobretudo de carácter pericial e foram ouvidas mais de duas centenas de testemunhas", continua a nota oficial, que dá conta do aumento do número de arguidos. O processo tem, também, até agora, 12 assistentes constituídos, que acompanham o inquérito.

"As diligências prosseguem, encontrando-se o inquérito em estado avançado de investigação, sendo previsível a conclusão do mesmo no prazo de 2 meses", assegura o Ministério Público.

EM ACTUALIZAÇÃO

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...