Processo de Manuel Vicente tem 49 volumes em papel

Portugal já enviou para Angola, em formato digital, a informação relativa ao antigo vice-presidente Manuel Vicente.

O processo em papel relativo ao ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente tem 49 volumes, que ainda estão por enviar para Angola, informaram esta quinta-feira fontes judiciais.

Contudo, a Procuradoria-Geral da República já enviou toda a documentação em formato digital para as autoridades judiciárias angolanas, condensada em três DVD, adiantaram as fontes.

Quanto à versão em papel, são 33 volumes de documentos produzidos até 22 de janeiro deste ano - quando foi decidida a separação do processo relativo a Manuel Vicente - mais 16 relativos a apensos.

Esta manhã decorreram as alegações finais do MP no julgamento da Operação Fizz relativas aos arguidos Orlando Figueira, Paulo Blanco e Armando Pires - com a acusação a pedir penas de prisão suspensas para os primeiros dois e dizendo não haver provas em relação ao terceiro, embora sem requerer a sua absolvição.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.