Crescimento de 3% este ano? "Os factos falam por si", diz Marcelo

Na semana passada, Marcelo disse que não estava afastada a hipótese de Portugal conseguir um crescimento económico à volta de 3,2% e um défice de 1,4%

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, escusou-se hoje a comentar a previsão de crescimento do PIB de mais de 3% no segundo trimestre avançada na quarta-feira pelo Governo, referindo apenas que "os factos falam por si".

Na semana passada, em Zagreb, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que não estava afastada a hipótese de Portugal conseguir este ano um crescimento económico à volta de 3,2% e um défice de 1,4%.

Em declarações aos jornalistas no Luxemburgo, onde hoje termina uma visita de três dias, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que as suas previsões são perfeitamente lógicas porque "quando um trimestre está em 2,8% pode ir mais longe. Pode ir no trimestre a seguir ou até ao fim do ano, mas há uma mudança de ritmo tal que permite ir para esses valores".

Na quarta-feira, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse acreditar que o Produto Interno Bruto (PIB) poderá crescer mais de 3% no segundo trimestre deste ano.

"São valores que considero desejáveis e que ando a dizer há muito tempo porque tem de se crescer claramente acima de dois por cento e isso parece possível, desejo que sim", afirmou.

Questionado ainda sobre a violência dos protestos no Brasil para exigir a demissão do Presidente Michel Temer, Marcelo Rebelo de Sousa disse que não comenta o que se passa "no país irmão".

O Presidente confirmou apenas que vai estar neste país para as comemorações do 10 de Junho, em São Paulo e depois no Rio de Janeiro.

Sobre o balanço da visita de Estado, que terminou na quarta-feira, Marcelo disse que "era difícil" as relações entre os dois países melhorarem ainda mais, mas acrescentou que a sua visita serviu para "dar um impulso adicional" no incentivo ao aumento da participação política dos portugueses nas eleições locais luxemburguesas.

"A política é feita de empatias e a que se criou agora permite levar mais longe a cooperação em que os dois governos estão a trabalhar, que são domínios de futuro, como ciência, tecnologia, colaboração militar e cooperação financeira e económica", disse.

Marcelo prossegue hoje a visita ao Luxemburgo, mas a título privado, para contactos com a comunidade portuguesa e participar na 50.ª peregrinação de Nossa Senhora de Fátima de Wiltz, a cerca de 65 quilómetros da capital luxemburguesa.

Ainda em Wiltz, o Presidente visita o Liceu do Norte, para um encontro com a comunidade portuguesa e onde atua o cantor português David Carreira, a convite de Marcelo.

Segundo dados oficiais, residem no Luxemburgo cerca de 100.000 portugueses, que representam 16,4 por cento da população naquele país.

O Presidente parte ao fim do dia para Madrid, onde vai inaugurar, juntamente com os reis de Espanha, a Feira do Livro, que este ano tem Portugal como país convidado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".