Privilegiar escola pública em tempo de crise é errado

O ex-presidente do PSD advertiu este sábado que em período de crise é mais fácil cair na tentação de privilegiar a escola pública em detrimento da não estatal, mas que "essa é uma opção errada".

A posição foi defendida durante uma palestra num estabelecimento de ensino particular em Fátima, o Colégio São Miguel, dedicada ao tema "O lugar e a situação da escola não-estatal em Portugal".

Marcelo Rebelo de Sousa disse que o Ministro da Educação tem defendido a liberdade de ensino, mas resta saber se é ele quem manda, ou a "máquina" do Ministério da Educação.

"O Ministério durante muito tempo foi dominado pela FENPROF [Federação Nacional de Professores] que influenciava a sua direcção, mesmo com ministros e governos com a visão de que deveria existir liberdade de escolha", disse o comentador político.

Rebelo de Sousa afirmou que "o ensino estatal tem vindo a aumentar em quantidade" e que se tem mostrado "muito assimétrico", enquanto "a escola não-estatal tem vindo a morrer em quantidade", mas garantindo "padrões de qualidade muito elevados".

Marcelo Rebelo de Sousa disse que as escolas não estatais devem "levar o Estado a considerar que não deve só olhar para a escola pública" até porque, realça, "a escola estatal só ganha com a competição com a escola não-estatal".

Manifestando-se crítico em relação à ideia de um estado monopolista e destacando "o papel crescente do ensino particular e cooperativo", o professor universitário enfatizou a necessidade "da liberdade de escolha na Educação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.