Prisão preventiva para homem que esfaqueou a mulher

A mulher de 33 anos foi atingida com facadas "em todo o corpo", na terça-feira, na via pública, num posto de abastecimento de combustível, em Bragança

O Tribunal de Bragança decretou hoje a prisão preventiva do indivíduo que esfaqueou a mulher, que se encontra hospitalizada, mas livre de perigo, depois de sujeita a uma intervenção cirúrgica.

O crime ocorreu, na terça-feira, na via pública, num posto de abastecimento de combustível, em Bragança, e, segundo a PSP, a mulher de 33 anos foi atingida com facadas "em todo o corpo".

O agressor, de 36 anos, foi detido pela Polícia e presente hoje a um juiz, no Tribunal de Bragança, que lhe decretou a medida de coação mais grave, a prisão preventiva, até ser levado a julgamento.

De acordo com informação recolhida pela Lusa junto do Comando Distrital de Bragança da PSP no dia da ocorrência, a vítima apresentava facadas "por todo o corpo, inclusive na cabeça".

A mulher foi assistida no Hospital de Bragança, onde foi sujeita, no mesmo dia, a uma intervenção cirúrgica.

Segundo os relatos recolhidos pela Polícia, a agressão terá ocorrido durante um desentendimento entre o casal por volta das 13:30 de terça-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.