Prisão efetiva para idoso que abusou de menina

O Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a condenação a três anos e meio de prisão efetiva de um homem de 70 anos, por abuso sexual de uma menina de quatro anos, em 2012, em Melgaço.

O arguido pedia a suspensão da pena, alegando que está social e familiarmente bem inserido, não possui antecedentes por crimes da mesma natureza e que o crime que cometeu não chegou a assumir repercussão social, por não ter sido do conhecimento da população.

Alegava ainda que, por ser deficiente motor e "depender do transporte em ambulância para se ausentar de casa", não haveria "qualquer perigo" de continuação da atividade criminosa.

No entanto, o tribunal, por acórdão a que a Lusa hoje teve acesso, manteve a pena de prisão efetiva, sublinhando que, por estarem em causa valores "tão elementares" como a liberdade e autodeterminação sexual de uma criança, se impõe a necessidade de "dar um sinal claro à comunidade de que tais valores devem ser superiormente protegidos e valorizados".

Além disso, o tribunal enfatizou a personalidade do arguido, "altamente disforme ao Direito", para concluir que a ameaça da prisão não seria de molde a afastar a prática de novos crimes.

"Tanto mais que sabemos a dificuldade que os abusadores têm em se manter afastados da reincidência", refere o acórdão da Relação.

Por isso, o tribunal considera que a aplicação de pena suspensa infligiria na comunidade um "inexorável sentimento de crise na confiança que os cidadãos depositam nas instituições do Estado guardiãs dos mais caros valores humanos".

Os abusos do idoso terão ocorrido "por diversas vezes" entre janeiro e maio de 2012, quando o arguido ia com a mulher, no seu ciclomotor, visitar a avó da menina.

Enquanto as duas mulheres conversavam, o arguido levava a criança para o veículo, onde consumaria os abusos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.