Príncipes das Astúrias jantam no Palácio de Queluz

Os príncipes Felipe e Letizia chegaram ao Palácio de Queluz às 20h05, poucos minutos depois do Presidente da República e Maria Cavaco Silva. Depois dos cumprimentos protocolares, que terminaram cerca das 20h25, segue-se agora então ao jantar oferecido pelo chefe de Estado português.

No local irá decorrer um jantar oficial oferecido por Cavaco Silva aos herdeiros da Coroa espanhola.

Entre os convidados estão personalidades como Assunção Esteves, Mário Soares, Ramalho Eanes e a mulher, João Lobo Antunes, Leonor Beleza, Manuela Ferreira Leite, António José Seguro, António Saraiva (presidente da CIP), António Zorrinho, Fernando Seara, entre outros.

Durante a tarde, um encontro com personalidades da vida política, cultural e empresarial portuguesa dominou o programa oficial dos príncipes das Astúrias no seu segundo e penúltimo dia de visita oficial a Portugal.

Na residência do embaixador de Espanha, no Palácio da Palhavã, em Lisboa, juntaram-se diversas figuras públicas para ouvir o discurso do herdeiro da coroa espanhola, Felipe de Borbón y Grécia, acompanhado por sua mulher Letizia Ortiz Rocasolano, centrado nas relações entre Portugal e Espanha e nos desafios que se colocam aos dois vizinhos ibéricos, e à Europa, em tempos de crise.

"Devemos pôr de lado o fatalismo e o derrotismo para enfrentar com coragem, com determinação e com agilidade os desafios do momento e abordar os problemas com inteligência e o olhar em direção ao futuro", disse Felipe de Bourbon na fase final de uma curta intervenção, em que também não deixou de referenciar uma das personalidades presentes.

"Como assinalou Eduardo Lourenço, o tempo verdadeiro é o tempo futuro, sem o qual não existe progresso nem esperança para o Homem. Devemos continuar a apostar por uma Europa, por uma construção única e sem precedentes na história, que foi um marco comum para o progresso, a prosperidade e o bem-estar de todos", sugeriu o herdeiro ao trono de Espanha.

"Não me resta a menor dúvida de que sereis capazes de superar os obstáculos do momento presente. Nas piores horas e nos maiores apuros vós e nós nos vimos, e deles sempre souberam sair os espanhóis e os portugueses", concluiu.

Entre as personalidades políticas presentes destacavam-se os ex-presidentes da República Ramalho Eanes e Mário Soares, acompanhados pelas mulheres, além dos ex-ministros Vera Jardim, Guilherme d'Oliveira Martins e o advogado Proença de Carvalho.

Na área empresarial marcaram presença o presidente do BES, Ricardo Salgado, Pina Moura, e o presidente da CIP, António Saraiva.

Mas foi aos dois ex-chefes de Estado que Felipe de Bourbón se dirigiu em particular, optando por se pronunciar em português.

"Quero enviar uma saudação muito especial aos ex-presidentes da República que tanto fizeram por restaurar a democracia e restabelecer os direitos e as liberdades, e que souberam em momentos difíceis atuar com decisão para colocar o regime político nas vias pluralistas desejadas pela esmagadora maioria dos portugueses", frisou.

A "pertença comum" à comunidade de nações ibero-americanas, definida como "uma demonstração inequívoca da nossa vocação universal comum", foi um aspeto sublinhado pelo príncipe das Astúrias, que também destacou o empenho de Ramalho Eanes e Mário Soares nesta área.

"Devemos pensar juntos nas perspetivas e oportunidades que se nos oferecem no resto do mundo, para aproveitar as nossas sinergias e projetar-nos juntos em outros países e continentes onde temos profundas raízes, raízes históricas", disse.

Ler mais

Exclusivos