Primeiros realojamentos terminaram há 15 anos

O realojamento de 248 famílias na Quinta do Cabrinha foi o primeiro do processo de reconversão do Casal Ventoso - o bairro considerado mais problemático de Lisboa no fim do século passado - e ficou concluído há 15 anos.

O problema era ímpar à escala nacional. A expressão do desafio era significativa mesmo em termos europeus. A partir do fim dos anos 1980 e durante a década de 90, diariamente, mais de cinco mil pessoas desciam ao bairro para consumir drogas. Existiam cerca de 500 consumidores residentes a viver viviam em condições extremamente precárias, muitas vezes em barracas.

"O bairro era o hipermercado das drogas, mesmo a nível europeu", lembra Judite Lopes, responsável pelo setor de intervenção social do Gabinete de Reconversão do Casal Ventoso (1996-2001), em declarações à agência Lusa.

O expressivo tráfico e consumo de drogas colou ao nome do bairro a imagem de um formigueiro humano, feito de filas intermitentes de consumidores.

A este cenário juntava-se a progressiva degradação do edificado: um estudo da Câmara de Lisboa divulgado em 1995 revelava que 40% dos fogos não tinham água canalizada, 27% não possuíam esgotos, 10% estavam sem eletricidade, metade não dispunham de "banho" e 42% não tinham cozinha.

A resposta -- que demorou anos a chegar e outros tantos a ganhar forma -- teve de agigantar-se para eliminar o problema e custou mais de 100 milhões de euros. "Não se tratava apenas de realojar famílias", lembra Judite Lopes.

"Havia agregados que viviam do seu trabalho, mas grande parte estava envolvida nos esquemas do tráfico de droga. As famílias eram muito desarticuladas", acrescenta.

A responsável explica ainda que "reconverter uma área habitacional com toda a problemática que o Casal Ventoso continha exigiu uma operação integrada, um plano que, a par do realojamento, previa uma estratégia de intervenção social para combater a toxicodependência, para combater o absentismo e o abandono escolar, e uma intervenção social junto dos idosos e dos jovens adolescentes".

Esta intervenção foi "pioneira" em muitos aspetos, desde o combate à toxicodependência - "com a aplicação de um programa de metadona e o enquadramento sócio-higieno-sanitário" dos consumidores -, passando ainda pela abertura da pré-primária na escola pública e pelo enriquecimento dos currículos escolares, através da introdução do inglês e da informática, da ampliação dos tempos pedagógicos e do acompanhamento na saúde escolar e na alimentação.

"Contámos com o apoio do Programa Urban, da então Comunidade Europeia, e com o contributo decisivo da autarquia, que suportou custos de realojamento superiores a 75 milhões de euros", afirmou ainda.

O realojamento na Quinta do Cabrinha, recordou Judite Lopes, foi "o mais emblemático", por ser "o primeiro momento em que se conseguiu observar que seria possível iniciar um diálogo de vivência mais construtiva com os moradores".

Na opinião de Filipe Santos, presidente do Projeto Alkantara, uma associação de luta contra a exclusão social que trabalha no bairro desde a sua inauguração, o processo de integração destas populações "podia já estar muito mais avançado se não tivesse sido interrompido" quando a câmara mudou de mãos, da presidência de João Soares (PS) para a de Pedro Santana Lopes (PSD).

À Lusa, Helena Lopes da Costa, vereadora da Ação Social de Santana Lopes (2002-2004), afirmou que a melhor resposta que pode dar a estas críticas é a vitória do PSD na Junta de Freguesia de Alcântara nas eleições autárquicas de 2005.

A então responsável explicou ainda a decisão da autarquia de extinguir, logo em 2002, o Gabinete de Reconversão do Casal Ventoso: "Era uma estrutura luxuosa, com administradores bem pagos, com bons automóveis. Em 2002 as pessoas já estavam realojadas, nada justificava que continuasse a existir", afirmou.

João Soares disse à Lusa que essas afirmações são "mentira", argumentando que os elementos daquele gabinete se ocupavam de tarefas que o seu executivo considerava "essenciais para uma boa reintegração das pessoas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."