Primeiro português eleito para uma autarquia na Finlândia

Natural de Amarante, Ilídio Flores foi, há 23 anos, para a Finlândia "atrás do amor". Depois de anos de voluntariado e apoio a crianças com deficiência, tornou-se no primeiro português a ser eleito para uma autarquia finlandesa.

"Vim para a Finlândia em 1989. A razão que me trouxe foi o amor. Vim atrás de uma mulher, atrás do amor", disse Ilídio Monteiro Flores, 46 anos, à agência Lusa, por telefone, a partir da cidade de Suolahti, no centro da Finlândia.

"Na época, viviam na cidade cerca de cinco mil habitantes, incluindo três portugueses, um número que pouco se alterou desde então", acrescentou.

Monitor do ensino especial, durante dez anos viveu de trabalhos precários e desde sempre se dedicou ao voluntariado desportivo como treinador de futebol de crianças e jovens. Atualmente, é assistente pessoal de uma criança autista na escola.

O apelo da política surgiu em 2000, quando foi convidado pela Liga de Esquerda para se candidatar à autarquia Suolahti e ficou a quatro votos de ser eleito.

Em 2008, já com a cidade fundida com mais duas, candidatou-se pelo Partido Comunista Finlandês, mas recolheu "apenas 32 votos".

"Este ano voltei às origens. A Liga de Esquerda convidou-me para fazer parte da lista como independente, aceitei e acabei por ser eleito (no fim de semana passado) num universo de 20 mil habitantes, com 15 mil votantes e abstenção de 42 por cento", disse, explicando que irá ocupar um cargo equivalente a vereador em Portugal, na área da Cultura e Desporto.

O português atribui a vitória sobretudo ao facto de sempre "ter sido muito ativo" na comunidade, por ser conhecido "no mundo do futebol" e pelos artigos de opinião que escreve com frequência para os jornais finlandeses.

"À terceira foi de vez", disse, explicando que na Finlândia os eleitores votam diretamente nos candidatos.

Ilídio Torres, que não tem nacionalidade finlandesa, elogia o sistema político local que, a nível autárquico, não impõe quaisquer limitações às candidaturas de estrangeiros.

Com uma comunidade portuguesa de cerca de 350 pessoas, concentrada sobretudo na capital, Helsínquia, Ilídio Torres disse à Lusa que houve mais três candidatos de origem portuguesa às eleições locais mas que, no entanto, não conseguiram ser eleitos.

Os países escandinavos têm sido apontados nos últimos tempos, em Portugal, como aliciantes destinos de emigração para os licenciados portugueses, mas Ilídio Torres garante que não é significativo o número de portugueses a chegar ao país.

"Estudantes têm vindo através do programa Erasmus, mas emigrantes não. A Finlândia nunca foi país um de emigração e aqui também há dificuldades económicas. A Finlândia também está em recessão. Apesar de ser ainda um país do bem-estar, começa a haver sem-abrigo e muita gente a ficar pobre. Pelos critérios da União Europeia há cerca de 500 mil pobres no país", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.