Costa elogia "grandes capacidades" da Marinha e a "mais valia" dos Comandos

Primeiro-ministro recusou ainda comentar as recentes declarações de Marcelo Rebelo de Sousa e Pedro Passos Coelho

O primeiro-ministro, António Costa, destacou esta sexta-feira as "grandes capacidades" da Marinha, na primeira visita ao ramo, destinada a avaliar as necessidades, numa altura em que se prepara a revisão da Lei de Programação Militar.

"Para o ano temos de fazer a revisão da Lei de Programação Militar e portanto é importante irmos fazendo as avaliações das necessidades de forma a podermos ter uma lei de programação que corresponda às prioridades do desenvolvimento do país", disse.

Na Base Naval de Lisboa, António Costa subiu a bordo da fragata D. Francisco de Almeida, visitou exposições sobre o dispositivo dos fuzileiros, mergulhadores, Instituto Hidrográfico e Autoridade Marítima Nacional, o Comando Marítimo e a Escola de Tecnologias Navais.

No final da visita, em que participaram o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, e o chefe da Marinha, almirante Silva Ribeiro, o primeiro-ministro elogiou as "grandes capacidades" da Marinha.

"Foi uma visita de trabalho para poder verificar as grandes capacidades da nossa Marinha que desempenha função essencial na Defesa Nacional mas também na investigação, na segurança das populações, na informação sobre o imenso potencial que Portugal tem com o mar que dispõe", declarou.

A visita à Marinha foi a primeira do mandato de António Costa por ser o ramo mais antigo, segundo o gabinete do primeiro-ministro. Até ao fim do ano, Costa deverá visitar a Força Aérea e o Exército.

Com um efetivo 7.780 militares, a Marinha espera preencher este ano 90 % das necessidades de recrutamento, apontada recentemente pelo almirante Silva Ribeiro como a principal dificuldade do ramo.

Para a renovação da frota, em parte envelhecida, está em curso a modernização de 4 patrulhas costeiros e a construção de dois navios patrulha oceânicos.

De acordo com um balanço distribuído à imprensa, em 2016 a Marinha salvou 457 vidas em 715 ações de busca e salvamento marítimo.

Quanto à participação em missões internacionais, a Marinha empenhou 23 militares em 2016, somando 523 nos últimos dez anos.

Sobre o novo curso dos Comandos, depois da polémica e das mortes ocorridas em setembro, o primeiro-ministro confirmou que o 128.º curso começa em abril. Acrescentou ainda que os Comandos fazem um "esforço essencial".

Já sobre as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa, que apelou mais uma vez ao "consenso", e a resposta de Passos Coelho, que disse que Costa "sovava" os adversários, o primeiro-ministro recusou tecer qualquer comentário.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.