Primeiro fato de surf adaptado é português

O primeiro fato concebido para deficientes que praticam surf adaptado foi desenvolvido em Portugal e criado à medida e necessidades especificas do seu utilizador.

Nuno Vitorino, presidente da Associação Portuguesa de Surf Adaptado (SURFaddict), é o dono do prótipo, produzido pela marca Janga Revolt, há alguns meses.

"Este fato foi idealizado pela SURFaddict e a Janga fê-lo. É o primeiro fato adaptado do mundo, tem velcros em baixo para permitir vesti-lo como um calção", explica Nuno Vitorino, acrescentando: "tem também um velcro que permite segurar as pernas, para QUE quando vamos a 'dropar' a onda as pernas não abram e não criem um foco de desequilíbrio".

O antigo nadador paralímpico, que ficou tetraplégico há 18 anos, garante que o fato "é muito mais elástico que os outros" e foi concebido com um propósito bem definido: "permitir que as pessoas com deficiência possam ser o mais autónomas possível e vestir o fato, o que na prática do surf é das coisas mais difíceis de fazer".

O fato, que tem num dos braços o slogan da SURFaddcit -- a única ação de surf adaptado da Europa, "Nós não queremos saber se é difícil, apenas se é possível" - é uma criação exclusivamente portuguesa.

"É um fato totalmente português. Foi totalmente concebido em Portugal, só não foi produzido cá porque não existem fábricas que trabalhem neoprene, mas os detalhes técnicos e o desenho foram todos feitos em Portugal", explica.

Depois do protótipo já foram feitos mais três, todos à medida de cada um dos seus utilizadores.

"Cada fato é feito à medida de cada pessoa, pelo peso, pelo perfil motor de cada um. Cada estudo técnico tem que ser adaptado ao perfil motor de cada pessoa", refere o presidente da SURFaddict, que no domingo realizou o primeiro evento de surf adaptado nos Açores.

Além dos fatos adaptados, a SURFaddict desenvolveu também, em colaboração com a empresa XCult Surfboard, uma prancha adaptada e maior que as convencionais.

Criada há cerca de um ano, a SURFaddict tem como objetivo proporcionar a prática da modalidade a pessoas portadoras de deficiência motora, visual ou cognitiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.