Felipe VI recebe Marcelo Rebelo de Sousa. Espanha e Portugal de "mãos dadas"

O rei espanhol agradeceu ao Presidente português este lhe ter atribuído o grande colar da Ordem da Liberdade e reafirmou as boas relações entre os dois Estados

O rei espanhol salientou esta segunda-feira, na gala em honra do Presidente da República, que Portugal e Espanha caminham atualmente "juntos" e "de mãos dadas", depois de terem deixado para trás os tempos em que estiveram de costas voltadas.

"Ficaram para trás os tempos em que estivemos de costas voltadas e hoje vamos de mãos dadas e caminhamos juntos", disse o rei Felipe VI no jantar de gala em honra de Marcelo Rebelo de Sousa que encerra o primeiro dia da visita de Estado do Presidente português a Espanha.

O rei espanhol agradeceu que o Presidente português lhe tenha atribuído o grande colar da Ordem da Liberdade, uma distinção atribuída aos chefes de Estado estrangeiros e que reconhece ações a favor da defesa da liberdade, democracia e direitos humanos.

Numa cerimónia realizada a meio do dia na residência dos reis espanhóis, o Palácio da Zarzuela, Felipe VI também atribuiu a Marcelo Rebelo de Sousa o grande colar de Carlos III , uma condecoração a pessoas que tiveram destaque especialmente pelas suas boas ações em benefício da Espanha.

O rei de Espanha sublinhou que os dois países tiveram de atravessar crises económicas, mas hoje vivem tempos de recuperação económica que devem ser aproveitados para diminuir as desigualdades sociais, sem deixar para trás os mais vulneráveis.

Rei de Espanha exalta nome da cultura portuguesa

Felipe VI fez também uma referência à exposição sobre o escritor português Fernando Pessoa que está no museu Rainha Sofia de Madrid e que os dois chefes de Estado vão visitar na terça-feira.

Essa mostra "é um exemplo do dinamismo das nossas relações culturais", considerou o rei, acrescentando que a "Espanha é uma grande admiradora da literatura lusa, mas também da sua música, dos seus magníficos artistas plásticos e do talento dos grandes arquitetos portugueses".

Felipe VI recordou que no próximo ano, em 19 de dezembro de 2019, se comemoram os 500 anos do "início de uma dos maiores feitos da história da humanidade": a primeira viagem de circum-navegação da Terra que, com o "impulso" da Coroa espanhola, foi iniciada pelo português Fernando de Magalhães e terminada pelo espanhol Juan Sebastián Elcano.

"Somos bons sócios e amigos na União Europeia, na NATO e nas Nações Unidas", disse o rei espanhol, recordando em seguida que o secretário-geral desta última organização internacional é o português António Guterres.

Espanha é uma grande admiradora da literatura lusa, mas também da sua música

Numa parte do discurso em que falou em português, Felipe VI sublinhou "a intensa e decidida participação de Portugal na Cimeiras Ibero-Americanas".

Marcelo Rebelo de Sousa continua a sua visita de Estado a Espanha na terça-feira participando, entre outros eventos, num encontro de empresários e agentes económicos dos dois países e tendo uma reunião com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy.

A visita termina na quarta-feira com uma deslocação a Salamanca na qual uma parte do programa também vai ser acompanhado por Felipe VI.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".