Presidentes trocam sinais de fumo branco entre Lisboa e Luanda

Decisão judicial de enviar processo de Manuel Vicente para Luanda suscitou reservas de Ana Gomes e Francisco Louçã.

Sinais políticos de desanuviamento das relações bilaterais entre Portugal e Angola marcaram o dia de ontem, na sequência da decisão judicial conhecida ao fim da tarde de quinta-feira de transferir o processo de Manuel Vicente para Luanda.

O Chefe do Estado angolano, João Lourenço, telefonou logo de manhã ao seu homólogo, Marcelo Rebelo de Sousa, tendo ambos partilhado "a vontade de desenvolver a cooperação a todos os níveis" - a qual começa já segunda-feira, com a visita a Luanda do ministro da Defesa português, Azeredo Lopes.

Se Marcelo divulgou a sua posição na página online da Presidência, João Lourenço já tinha utilizado a rede social Twitter: "Felicitámo-nos pelo feliz desfecho do caso e reiterámos a vontade de seguir em frente com a cooperação entre os nossos dois países."

Horas depois, o Presidente português não escapou, contudo, às reservas suscitadas pelo conselheiro de Estado Francisco Louçã. Em declarações à TSF, o antigo líder bloquista - como antes a eurodeputada Ana Gomes - destoara do tom geral de satisfação registada nas duas capitais ao manifestar estranheza com "tantos comentários sobre uma decisão judicial" por parte dos altos responsáveis de Portugal e Angola. "Não é muito comum", acentuou Louçã.

Como "ninguém se imiscui numa decisão tomada", porque "imiscuir é antes", Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou liminarmente que as suas palavras - como as do primeiro-ministro, António Costa, ou do chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva - possam ser interpretadas como uma interferência no setor judicial.

"Estão em causa centenas de milhares de pessoas, portugueses e angolanos. E, portanto, quando estão em causa centenas de milhares de pessoas, isso é tão forte, tão forte, tão forte, que é mais forte do que tudo", sublinhou o Presidente, à margem de uma iniciativa na baixa de Lisboa (ver pág. 15).

Já a eurodeputada socialista Ana Gomes qualificou a transferência para Angola do processo judicial sobre o antigo vice-presidente angolano - e alguns dos argumentos invocados pelo Tribunal da Relação de Lisboa - como "uma tremenda demissão da justiça portuguesa e uma tremenda derrota da Justiça".

Considerando "extraordinário que se possa arguir as condições para a melhor reinserção social e reabilitação da pessoa em causa como um dos argumentos para aceitar a transferência do processo para Angola", Ana Gomes argumentou que a decisão judicial "não vai aliviar as relações entre Portugal e Angola". No seu entendimento, a única coisa que pode aliviar as relações bilaterais "é que Portugal faça o que tem de fazer para não continuar a ser a lavandaria dos corruptos da cleptocracia em Angola".

Em tom contrário falou o presidente do PSD, com Rui Rio a qualificar a decisão como muito positiva para as relações bilaterais. "É, obviamente, uma boa notícia para as relações entre Portugal e Angola. Temos que ter consciência, ao longo de todo este processo, que há uma real separação de poderes em Portugal e, portanto, o poder político não podia fazer nada, nem devia fazer nada, relativamente a isto", afirmou ainda o líder dos sociais-democratas. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.