Presidente promove "contacto direto" com Forças Armadas

Marcelo quis seduzir jovens para entrarem nas Forças Armadas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este sábado as Forças Armadas um "símbolo da unidade nacional" e afirmou que as Atividades Militares Complementares que animam por estes dias a avenida litoral de Ponta Delgada "ultrapassaram tudo" o que já tinham sido feito nas comemorações do Dia de Portugal.

Num programa das comemorações do 10 de Junho marcado por vários momentos formais, Marcelo Rebelo de Sousa teve ontem na visita a estas atividades da Marinha, Exército e Força Aérea o seu verdadeiro momento de rua e de proximidade com o povo e embora não tenha arrastado multidões, mostrou também nos Açores porque é talvez o único político em Portugal que tem o estatuto de "estrela", ou seja, de pessoa que todos querem conhecer e ao lado de quem querem ser fotografados.

Durante o seu percurso a pé pelos vários equipamentos em exposição no recinto das Portas do Mar - com destaque para os veículos blindados, as embarcações e um avião de caça - Marcelo Rebelo de Sousa promoveu o "contacto direto" de todos, "das crianças, dos jovens e mesmo dos mais velhos com os equipamentos", nos quais "podem tocar e podem compreender" para, desta forma, serem "seduzidos" a integrar as Forças Armadas, explicou o Presidente da República, que várias vezes foi abordado por populares para com eles tirar a já famosa "selfie" com Marcelo. E até uma turista norte-americana, apercebendo-se pelo aparato de estar diante de uma autoridade portuguesa, comentou, fazendo um sinal de proximidade: "estive a "esta" distância dele"...

O Presidente da República mostrou ainda uma particular atenção às crianças, que muitos pais faziam questão de levar para perto dele, tendo entrado com elas nos vários equipamentos em exposição e dado algumas explicações "personalizadas" sobre aviões, barcos e blindados.

Os três ramos das Forças Armadas mostraram também ao Presidente da República a sua cada vez maior aposta na contratação de serviços a empresas inovadoras portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.