Presidente promove "contacto direto" com Forças Armadas

Marcelo quis seduzir jovens para entrarem nas Forças Armadas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este sábado as Forças Armadas um "símbolo da unidade nacional" e afirmou que as Atividades Militares Complementares que animam por estes dias a avenida litoral de Ponta Delgada "ultrapassaram tudo" o que já tinham sido feito nas comemorações do Dia de Portugal.

Num programa das comemorações do 10 de Junho marcado por vários momentos formais, Marcelo Rebelo de Sousa teve ontem na visita a estas atividades da Marinha, Exército e Força Aérea o seu verdadeiro momento de rua e de proximidade com o povo e embora não tenha arrastado multidões, mostrou também nos Açores porque é talvez o único político em Portugal que tem o estatuto de "estrela", ou seja, de pessoa que todos querem conhecer e ao lado de quem querem ser fotografados.

Durante o seu percurso a pé pelos vários equipamentos em exposição no recinto das Portas do Mar - com destaque para os veículos blindados, as embarcações e um avião de caça - Marcelo Rebelo de Sousa promoveu o "contacto direto" de todos, "das crianças, dos jovens e mesmo dos mais velhos com os equipamentos", nos quais "podem tocar e podem compreender" para, desta forma, serem "seduzidos" a integrar as Forças Armadas, explicou o Presidente da República, que várias vezes foi abordado por populares para com eles tirar a já famosa "selfie" com Marcelo. E até uma turista norte-americana, apercebendo-se pelo aparato de estar diante de uma autoridade portuguesa, comentou, fazendo um sinal de proximidade: "estive a "esta" distância dele"...

O Presidente da República mostrou ainda uma particular atenção às crianças, que muitos pais faziam questão de levar para perto dele, tendo entrado com elas nos vários equipamentos em exposição e dado algumas explicações "personalizadas" sobre aviões, barcos e blindados.

Os três ramos das Forças Armadas mostraram também ao Presidente da República a sua cada vez maior aposta na contratação de serviços a empresas inovadoras portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.