Presidente João Lourenço reúne-se com eurodeputados portugueses

Chefe do Estado angolano desloca-se ao Parlamento Europeu na próxima semana

O presidente angolano vai reunir-se com eurodeputados portugueses durante a sua estada em Estrasburgo na próxima quarta-feira, disseram esta quinta-feira fontes diplomáticas ao DN.

O encontro, cuja preparação está a cargo do embaixador de Angola em França, João Miranda, vai realizar-se à margem da visita que João Lourenço fará ao Parlamento Europeu no fim da atual sessão legislativa.

João Lourenço, que recebeu esta quinta-feira em Luanda o presidente do PSD, Rui Rio, torna-se assim o primeiro chefe do Estado angolano a visitar oficialmente o Parlamento Europeu e a discursar no plenário.

A visita coincide com a presidência angolana do órgão de cooperação nos domínios político, de defesa e segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Segundo uma nota do Parlamento Europeu, João Lourenço deverá abordar temas como as relações e a cooperação entre União Europeia e Angola em vários domínios, o desenvolvimento, as migrações e a promoção da estabilidade e da paz no continente africano.

A parceria entre Angola e a UE tem por base o Acordo de Parceria de Cotonu ACP-UE, que expira em fevereiro de 2020 e cujas negociações para a sua renovação deverão iniciar-se em agosto. Com Lusa

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.