Presidente João Lourenço reúne-se com eurodeputados portugueses

Chefe do Estado angolano desloca-se ao Parlamento Europeu na próxima semana

O presidente angolano vai reunir-se com eurodeputados portugueses durante a sua estada em Estrasburgo na próxima quarta-feira, disseram esta quinta-feira fontes diplomáticas ao DN.

O encontro, cuja preparação está a cargo do embaixador de Angola em França, João Miranda, vai realizar-se à margem da visita que João Lourenço fará ao Parlamento Europeu no fim da atual sessão legislativa.

João Lourenço, que recebeu esta quinta-feira em Luanda o presidente do PSD, Rui Rio, torna-se assim o primeiro chefe do Estado angolano a visitar oficialmente o Parlamento Europeu e a discursar no plenário.

A visita coincide com a presidência angolana do órgão de cooperação nos domínios político, de defesa e segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Segundo uma nota do Parlamento Europeu, João Lourenço deverá abordar temas como as relações e a cooperação entre União Europeia e Angola em vários domínios, o desenvolvimento, as migrações e a promoção da estabilidade e da paz no continente africano.

A parceria entre Angola e a UE tem por base o Acordo de Parceria de Cotonu ACP-UE, que expira em fevereiro de 2020 e cujas negociações para a sua renovação deverão iniciar-se em agosto. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".