Presidente "está bem" e a descansar

Agenda de Marcelo para segunda-feira não sofreu alterações e prevê-se que vá ver a seleção a Proença-a-Nova. Terça-feira parte para os EUA onde se vai encontrar com Trump

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que sábado desmaiou numa visita ao Bom Jesus de Braga, está este domingo a descansar e "está bem", disse ao DN fonte da Presidência da República.

A agenda presidencial para amanhã não sofreu alterações. Assim, prevê-se que Marcelo se desloque esta segunda-feira a Proença-a-Nova para assistir ao jogo da seleção portuguesa com o Irão, que se realiza às 19 horas. "Foi uma indisposição momentânea. O Presidente está bem", disse a mesma fonte.

Os médicos aconselharam o Presidente a abrandar o ritmo e a agenda deste fim de semana foi cancelada.

Sábado, à saída do Hospital de Braga, onde esteve a soro e realizou uma série de exames "por precaução", Marcelo fez questão de dizer que iria abrandar para recuperar e poder manter os compromissos internacionais - terça-feira parte para os Estados Unidos, onde se vai reunir com o homólogo norte-americano, Donald Trump, e terá também encontros com a comunidade portuguesa. O Presidente disse também que queria ir a Moscovo apoiar a seleção se Portugal for apurado para os oitavos-de-final do Mundial.

De acordo com uma nota do Palácio de Belém, emitida sábado à tarde, "os exames efetuados no Hospital de Braga confirmaram que o Presidente da República sofreu uma gastroenterite aguda. Os médicos recomendaram hidratação e repouso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.