Presidente do INE reforma-se após 12 anos à frente do instituto

Alda Carvalho reformou-se por estar quase a fazer 70 anos

A presidente do Instituto Nacional de Estatística (INE), Alda Carvalho, terminou o mandato em dezembro e reformou-se, prestes a atingir os 70 anos de idade e após 12 anos à frente do organismo, confirmou fonte oficial do instituto.

"O mandato do Conselho Diretivo do INE, presidido por Alda de Caetano Carvalho, terminou a 31 de dezembro 2017", avançou fonte do INE à agência Lusa, confirmando a notícia avançada pelo ECO.

"Nesse contexto, e à beira de atingir o limite de idade para o exercício de funções públicas (70 anos), a Dra. Alda de Caetano Carvalho decidiu aposentar-se, situação em que já se encontra", sendo a gestão do instituto assegurada pelo restante Conselho Diretivo, acrescenta a mesma fonte.

Segundo adianta, o novo Conselho Diretivo do INE "será conhecido oficialmente logo que cumpridos todos os requisitos legais para a sua nomeação".

Formada em Economia, Alda Carvalho foi nomeada presidente do INE em novembro de 2005, segundo informação publicada no 'site' do instituto.

Trabalhou como economista no Centro de Estudos de Planeamento da Presidência do Conselho de Ministros em 1972, na Direção Geral de Planeamento e Integração Económica de Moçambique (1973/74), na Direção Geral do Comércio (1975/82) e no Departamento Central de Planeamento (1982/83). Foi assessora e chefe de gabinete do secretário de Estado do Planeamento (1984/85), diretora do Departamento Central de Planeamento/Departamento de Prospetiva e Planeamento (1986/2005) e consultora do Banco Mundial (1994).

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...