Marcelo fala em "revolução silenciosa e subterrânea" que está a mudar Portugal

"Está a ser feita todos os dias por empresários e trabalhadores, por jovens cada vez mais qualificados", acrescentou

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta quinta-feira que há uma "revolução silenciosa" que está a mudar o país, mostrando-se orgulhoso por Portugal ter "gente capaz de fazer do melhor do mundo".

"Há uma revolução silenciosa, subterrânea, que está a ser feita todos os dias por empresários e trabalhadores, por jovens cada vez mais qualificados, por avanços em todas as áreas da economia. Essa revolução está a mudar o país", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava em Oliveira de Azeméis, durante a cerimónia de inauguração das novas instalações da CHETO, uma empresa portuguesa especializada na conceção e produção de máquinas-ferramenta com aplicação na indústria dos moldes.

No seu discurso, o Presidente da República dirigiu-se a uma comitiva de empresários chineses e polacos para vincar que os portugueses são "dos melhores do mundo", dizendo que não se justifica ter um "ligeiro défice de autoestima ou de amor-próprio".

"Quando somos muito bons, nós somos dos melhores, dos melhores. Tenho visto isso em vários exemplos de excelência. Este é um exemplo de excelência, é um exemplo da revolução silenciosa", disse, referindo-se ao novo centro tecnológico da CHETO.

Marcelo Rebelo de Sousa realçou que a estabilidade política, social, laboral e fiscal são fundamentais para o caminho de futuro, adiantando que é preciso "ter bom senso, não deitar tudo a perder, por causa de questões menores, escolhas maiores".

As novas instalações da CHETO em Oliveira de Azeméis abrangem uma área de 10 mil metros quadrados e representam um investimento de três milhões de euros, sendo 1,3 milhões de euros provenientes do programa Portugal 2020 e cerca de 700 mil euros de fundos comunitários.

Criada em 2009, a empresa, que tem atualmente cerca de 40 trabalhadores, espera atingir este ano os 7,5 milhões de euros em volume de negócios, com as exportações a serem responsáveis por 64% deste número.

Atualmente, as máquinas da CHETO são exportadas para vários países como Estados Unidos da América, Itália, China, Índia, Brasil, Canadá e Polónia.

Com a implementação do centro de investigação hoje inaugurado, a CHETO tem como objetivo potencializar o seu volume de negócios em dez milhões de euros e atingir o volume de exportações de 6,5 milhões de euros, continuando o ciclo positivo que tem vindo a ter ao longo dos últimos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.