Marcelo vai condecorar Manuel Alegre

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou hoje que vai condecorar o histórico socialista Manuel Alegre com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago de Espada, um "ato de justiça" a uma "voz de liberdade e consciência nacional".

Na cerimónia na qual a Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) celebra o Dia do Autor, onde entregou o prémio de consagração de carreira ao escritor Manuel Alegre, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que o histórico socialista "é uma voz de liberdade e uma voz de consciência nacional".

"O Presidente da República também aqui deve praticar um ato de justiça. E um ato de justiça traduz-se em dizer que decidiu condecorar Manuel Alegre com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago de Espada", anunciou.

Na opinião do chefe de Estado "Portugal também foi grande e é grande porque Manuel Alegre é português".

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou o momento para tornar pública uma outra condecoração, desta vez à própria SPA, que na sua opinião muito esperou que "pudesse ser galardoada pelos seus 90 anos, pela obra que tinha desenvolvido".

"Nunca é tarde para o Presidente da República dizer que decidiu condecorar a sociedade com a Ordem da Liberdade, como se tivesse sido há um atrás", disse.

Os elogios a Manuel Alegre vindos do Presidente da República -- com quem já tinha estado, no 25 de Abril, quando o escritor recebeu o prémio Vida Literária -- somaram-se: "uma voz independente, indomável, rebelde, insuscetível de integração em categorias ou classes".

Para Marcelo Rebelo de Sousa, o histórico socialista "é verdadeiramente único e singular", destacando "o sentido de Estado que muitas vezes vai sendo raro" em Portugal num homem onde "não é possível separar a literatura da vida".

Apesar de o presidente do SPA ter dito durante várias vezes na cerimónia de entrega que antecedeu os discursos que era preciso cumprir os tempos devido a agenda do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa acabou por contrariar esta ideia porque "para uma festa da democracia e da cultura há sempre tempo".

O chefe de Estado considerou que a entrega de prémios foi um verdadeiro "roteiro espiritual" e antecipou que, quando fizer o balanço do seu mandato de cinco anos, chegará à conclusão de que momentos como o de hoje "são inesquecíveis e fazem parte do lado positivo do mandato presidencial".

Ler mais

Exclusivos