Presidente da EMEL demitido nega gastos excessivos

António Júlio de Almeida estava no cargo desde 2009 e não comentou decisão. António Costa remeteu explicações para hoje.

O presidente da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), António Júlio de Almeida, foi demitido pela Câmara Municipal de Lisboa do cargo que ocupava desde 2009. Num comentário à decisão da autarquia, o gestor negou que o seu afastamento esteja relacionado com um polémico processo de despedimentos de funcionários da empresa e gastos indevidos.

"Fechou-se um ciclo, estou há seis anos na empresa. Fiz o trabalho que me pediram, recuperei a empresa, orientei-a, internacionalizei-a, modernizei-a tecnologicamente, pu-la a ganhar dinheiro. Agora é o momento próprio de me substituir e de dar nova alma à empresa", afirmou. Sobre as razões do seu afastamento, disse que "é normal isto, não tem nada de especial, nada de particular".

De acordo com o Público, a decisão de António Costa está relacionada com irregularidades que já tinham sido detetadas no mandato anterior. António Júlio de Almeida, que foi reconduzido enquanto presidente da EMEL no ano passado, com os votos a favor de Costa e do vereador Manuel Salgado, terá entrado em divergência com outros membros do Conselho de Administração da EMEL e com o vereador Nunes da Silva, dos Cidadãos por Lisboa, já nesse mandato.

Leia mais a edição impressa ou o e-Paper do DN.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...