Presidente da Câmara do Porto acusa empresas públicas de falta de transparência

Encerramento de 13 balcões da Caixa Geral de Depósitos no centro das acusações

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira acusou esta terça-feira, durante a reunião pública do executivo, as empresas públicas de falta de transparência, sublinhando que não dispõe de qualquer "conceito estratégico" na sua gestão.

Rui Moreira afirmou ainda que estas empresas "passam a ser irrelevantes e assim confundem-se com as empresas privadas". Quando confrontado pelo vereador da CDU sobre o encerramento da agência da Caixa Geral de Depósitos (CGD) na da praça da Liberdade, o autarca considerou o que está a acontecer como "um instrumento do centralismo", em que a CGD se aproxima cada vez mais de um banco privado.

Rui Moreira acusa ainda os "sucessivos governos" de falharem ao tentar explicar a estratégia para estas empresas e apenas se preocuparem em "mudar os gestores".

Desde 2012 já foram fechadas 13 das das 35 agências existentes no concelho, o que para o comunista Pedro Carvalho, "afeta a população".

Em maio do ano passado, o PCP já tinha denunciado o encerramento de 12 balcões da CGD e afirmou pretender confrontar o Governo com estas decisões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.