Presidente da autarquia renuncia e quer eleições

Ricardo Oliveira Figueiredo defende que esta é a solução para evitar "paralisia" da cidade

O presidente social-democrata da Câmara de S. João da Madeira, que hoje anunciou a sua renúncia ao cargo e será recandidato nas eleições intercalares daí resultantes, defende que é essa a solução para evitar a "paralisia" da cidade.

Ricardo Oliveira Figueiredo afirmou em conferência de imprensa que os "bloqueios sucessivos" por parte da maioria PS e movimento SJM Sempre "configuram uma estratégia deliberada e persistente para paralisar a Câmara", o que reflete "uma situação nunca vista, grave e anómala" na história do concelho.

"O que se verificou nestes dois anos é que, ao contrário do que é normal, em vez de reclamar que se faça mais, a oposição pura e simplesmente não deixa fazer e parece que não gosta quando as coisas correm bem", declarou o autarca eleito pelo PSD.

"A cidade não pode estar refém de quem é contra a natureza empreendedora e inconformada dos são-joanenses e recusamo-nos a assistir passivamente à paralisia a que esta oposição quer condenar S. João da Madeira", acrescentou.

A oposição pura e simplesmente não deixa fazer

Ricardo Oliveira Figueiredo revelou que para tomada dessa decisão auscultou "a cidade, os cidadãos, as associações e as instituições locais", pelo que, na sua renúncia ao cargo, é acompanhado pelos dois outros vereadores do Executivo PSD e pelos restantes elementos da lista que em 2013 se candidatou à Câmara.

Essa renúncia será oficializada burocraticamente na próxima quarta-feira, após o que caberá à Secretaria de Estado da Administração Local definir a data para novas eleições locais, em que o presidente cessante já assumiu que será novamente cabeça-de-lista pelo PSD.

"Queremos renovar a nossa legitimidade democrática e criar condições para ir em frente, com uma maioria para podermos governar e fazer S. João avançar", revelou. "Não podemos perder mais nenhuma oportunidade", realçou.

É com essa maioria que Ricardo Oliveira Figueiredo se propõe "revitalizar o centro da cidade, continuar a renovar o parque industrial da Oliva, reforçar o apoio social, investir no desporto e dinamizar a economia e o emprego".

O autarca cessante admite que, em dois anos de mandato, a Câmara deste município do distrito de Aveiro investiu 12 milhões de euros em projetos como a requalificação de prédios de habitação social, a afirmação da Casa da Criatividade, a construção do novo edifício da Sanjotec e a conclusão da ampliação da Zoa Industrial das Travessa.

"Mas isso só foi possível porque nada disso necessitou de deliberação de Câmara", realçou. "Se tivesse necessitado, teria sido bloqueado", garantiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.