Prémio "Europeu do Ano" é dedicado aos "11 milhões que vivem em Portugal"

Comissário europeu destacou êxito do país na aplicação do programa da 'troika'

O comissário europeu para a Economia e Sociedade Digitais falava em Berlim durante a entrega do galardão Golden Victoria Europa, oferecido por uma associação alemã de editores e publicações. Günther Öttinger dedicou o prémio 'Europeu do Ano' "aos 11 milhões de pessoas que vivem em Portugal" pelo êxito do país em concluir o programa da troika.

Portugal conseguiu "encontrar o caminho para mais emprego e competitividade", disse o comissário europeu, acrescentando que o prémio é também um pedido aos portugueses para que "possam manter uma estabilidade" política, económica e financeira, "sem oscilações".

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Rui Machete, considerou que, independentemente de quem vier a governar o país, o prémio "traz uma grande responsabilidade para Portugal" e o dever de o próximo governo "manter o rumo".

Em declarações à agência Lusa em Berlim, Machete destacou o auxílio prestado pela Alemanha mas recordou que Portugal cumpriu com as suas obrigações.

"Também cumprimos com o que nos foi pedido e ajudamos a Alemanha a justificar o seu papel de liderança", sublinhou.

O galardão simboliza "o reconhecimento de um percurso de sucesso" no contexto europeu "assente na coragem, determinação e espírito de sacrifício do povo português", disse o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português.

Rui Machete, que discursou em alemão, frisou que a Alemanha e Portugal partilham não só uma "convicção europeísta" mas também uma "relação de grande proximidade", potenciada pela cooperação económica, financeira e cultural.

"O português é atualmente a terceira língua mais falada a nível mundial" mencionou Rui Machete, acrescentando que a língua portuguesa tem permitido aos investidores alemães "acesso a importantes mercados lusófonos, como o Brasil, Angola e Moçambique".

O Prémio Golden Victoria Europa 2015, considerado o maior galardão alemão na área dos media, é oferecido pela associação VDZ, que representa mais de 400 editores e seis mil publicações na Alemanha e a nível internacional.

Esta distinção foi atribuída em 2014 à Estónia, Letónia e Lituânia e já também distinguiu o ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso, o primeiro-ministro irlandês Enda Kenny, e o ex-chefe do Governo polaco Donald Tusk.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.