Preços do serviço postal universal dos CTT sobem em média 4,5%

Novo tarifário entra hoje em vigor e representa um aumento médio anual dos preços de 4,5% para envios de correspondências, encomendas, livros, jornais, publicações periódicas e correio editorial

O novo tarifário dos CTT para o serviço postal universal entra hoje em vigor, representando um aumento médio anual dos preços de 4,5% para envios de correspondências, encomendas, livros, jornais, publicações periódicas e correio editorial.

Por decisão de 23 de março, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) considerou que a proposta dos serviços que integram o serviço universal, apresentada pelos CTT - Correios de Portugal, por carta de 15 de fevereiro, "cumpre os princípios e critérios de formação dos preços aplicáveis", definidos pelo regulador em 21 de novembro de 2014.

A título de exemplo, uma carta até 20 gramas enviada em correio normal custava 0,50 euros e passará a custar 0,53 euros

A partir de hoje entra em vigor o novo tarifário, que representa um "aumento médio anual dos preços de 4,5% para o cabaz de serviços constituído pelos envios de correspondências, encomendas, livros, jornais, publicações periódicas e correio editorial".

Além disso, inclui também uma "redução média anual dos preços de 0,5% para os serviços reservados (serviços de citações e notificações postais)", refere a Anacom.

A título de exemplo, uma carta até 20 gramas enviada em correio normal custava 0,50 euros e passará a custar 0,53 euros.

Já nas notificações/citações, por exemplo, uma carta até 20 gramas tinha um custo de 2,31 euros e desce para 2,30 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?