Marcelo diz que não fala de Barreiras Duarte mas avisa: partidos têm de ser "fortes"

Secretário-geral do PSD envolto em várias polémicas

O Presidente da República recusou este sábado comentar a polémica em torno do currículo do dirigente do PSD Feliciano Barreiras Duarte, mas sublinhou que neste momento, a cerca de um ano das eleições, "é muito importante que haja partidos fortes".

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante uma visita do chefe de Estado à Futurália, feira de Educação e Formação, que decorre na FIL, em Lisboa.

Questionado sobre a polémica em torno do secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, o Presidente da República começou por dizer que não se iria pronunciar sobre a vida partidária, recusando dizer se a nova direção do partido presidido por Rui Rio está fragilizada.

"Aquilo que eu disse sempre e que volto a dizer é que é muito importante que haja partidos fortes e é muito importante agora que estamos praticamente a um ano e um mês das primeiras eleições que, quer os partidos da área do Governo quer os da oposição estejam fortes", sublinhou Marcelo.

O semanário Sol noticiou no sábado passado que Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o seu currículo académico para retirar o item que o indicava como professor convidado ('visiting scholar') na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República remeteu para inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa os elementos que recolheu sobre o caso. "Na sequência de notícias vindas a público, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos. Esses elementos foram encaminhados para o DIAP de Lisboa com vista a inquérito", revelou a PGR, em resposta à agência Lusa, sem adiantar mais pormenores.

À noite, em comunicado, o secretário-geral do PSD reiterou que "nada fez de errado" e que irá "esperar serenamente" os resultados do inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República ao caso do seu currículo.

O caso faz com que, como o DN noticia hoje, o recém-eleito líder do PSD, Rui Rio, esteja à espera que Barreiras Duarte de demita.

A polémica adensou-se Hoje com um novo caso: segundo o Observador, Feliciano Barreiras Duarte, durante pelos menos os nove anos em que esteve na Assembleia da República, a morar em Lisboa, recebeu um subsídio de ajudas de custo e despesas de deslocação, como se vivesse no Bombarral, onde moram os seus pais.

Entretanto o secretário-geral do PSD veio dizer que tinha no Bombarral a sua morada fiscal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.