Marcelo pede consenso dos partidos na candidatura à Agência Europeia do Medicamento

"É preciso todos juntarem-se para que Portugal ganhe", frisou o Presidente da República

O Presidente da República (PR) pediu hoje que os partidos "estabilizem a opinião" sobre a localidade portuguesa a candidatar à Agência Europeia do Medicamento (EMA), escolham "a que tem melhores hipóteses de ganhar" e "remem na mesma direção".

"O que o PR pode desejar, em primeiro lugar, é que rapidamente os partidos definam uma posição. Se é a que tinham, se é outra e qual: Porto ou Braga. Depois, que definam por consenso, para um não defender uma coisa e outro defender outra", pediu Marcelo Rebelo de Sousa, questionado sobre a possibilidade de ainda haver unidade nacional relativamente à localidade portuguesa a candidatar à sede da EMA, que deve abandonar Londres com a saída do Reino Unido da União Europeia.

"É preciso todos juntarem-se para que Portugal ganhe, porque isso é que é importante", acrescentou, em declarações aos jornalistas na Póvoa de Varzim, alertando para a necessidade de o acordo partidário ser "rápido", porque está em causa uma "luta muito difícil", com "hipóteses limitadas", pelo que importa não as tornar "impossíveis".

"O que posso pedir é que os partidos estabilizem a opinião, cheguem ao acordo possível e depois remem todos na mesma direção, senão o que já é difícil torna-se impossível", frisou o chefe de Estado, à margem de cerimónia de homenagem à Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar, com o título de membro honorário da Ordem de Mérito.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, é "prejudicial" a polémica que se tem gerado em torno da candidatura de Portugal à EMA, com vários políticos e localidades a reivindicar a sede da agência europeia, depois de o Governo ter escolhido Lisboa.

"À partida todos tinham a mesma opinião. É preciso ficar claro quem tem agora uma opinião e quem tem outra. Ficar claro a que tem melhores hipóteses para ganhar e, depois, todos juntarem-se para que Portugal ganhe, porque isso é que é importante", vincou.

Marcelo lembrou que, "há um mês, a Assembleia da República aprovou, por unanimidade, um voto de saudação e apoio a Lisboa como local escolhido na candidatura portuguesa".

"É natural que os partidos mudem de opinião e tenham entretanto aparecido outras hipóteses no quadro da descentralização. Fala-se do Porto e de Braga. Mas é preciso que, rapidamente, os partidos definam uma posição", avisou o PR.

A Câmara do Porto aprovou na terça-feira, por unanimidade, criar um grupo de trabalho para candidatar a cidade a acolher a EMA, mas apenas se o Governo garantir "rever" a decisão de candidatar Lisboa.

A deliberação foi tomada com base numa proposta do PS, à qual o presidente da Câmara, o independente Rui Moreira, sugeriu acrescentar a ressalva de que o Porto preparará candidatar-se "no prazo máximo de 30 dias", apenas se for garantido que o Governo pode ainda rever a decisão tomada".

Numa carta dirigida a Rui Moreira, a que a Lusa teve acesso, o primeiro-ministro explica ter decidido candidatar Lisboa devido à "conveniência da proximidade do Infarmed" e por "ser fator de preferência a existência de Escola Europeia, que só Lisboa poderá vir a ter".

Entretanto, um grupo de deputados do PSD defendeu a instalação da EMA em Coimbra, tendo questionado o Governo sobre se a cidade foi estudada como alternativa a Lisboa para receber aquele organismo.

Na quarta-feira, o PSD questionou o Governo sobre as razões para candidatar Lisboa e "preterir outras cidades portuguesas", inquirindo se "alguma outra opção foi sequer considerada".

No mesmo dia, o presidente da Câmara de Braga criticou o Governo e a União Europeia por não ter recebido "até à data" nenhuma informação "concreta" e "rigorosa" sobre os requisitos para acolher a EMA.

A 09 de junho, um grupo de deputados do PS eleitos pelo Porto questionaram o Governo sobre os "estudos que sustentam a decisão de localização" da EMA.

Na cerimónia de homenagem à Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar, o chefe de Estado elogiou a "instituição que tem servido esta terra, esta gente e o país".

"Os portugueses estão gratos aos que sabem cuidar, nas horas fáceis mais também nas horas muito difíceis, e ao longo de muitos anos, pelos que se sacrificam pela comunidade", afirmou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.