PR diz que há "um consenso nacional para que futuro corra bem para a Caixa"

Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a fazer considerações sobre a reunião sobre o salário mínimo nacional

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje, em Coimbra, que "há um consenso nacional no sentido de que "o futuro corra bem para a Caixa [Geral de Depósitos]".

Se "correr bem" para esta instituição -- "e vai correr --, corre bem para o sistema bancário português, corre bem para Portugal", acrescentou.

O chefe de Estado falava aos jornalistas, hoje, depois de ter presidido à sessão de abertura do Congresso Internacional - Comemoração dos 50 anos do Código Civil, que hoje decorre na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, por iniciativa deste estabelecimento.

"O que os portugueses esperam, querem é olhar para o futuro, querem que a Caixa esteja forte -- e está forte --, querem que a Caixa proceda à [sua] recapitalização -- e vai proceder --, querem que seja reestruturada -- e vai ser reestruturada" --, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa.

"Penso que há um consenso nacional no sentido de que o futuro corra bem para a Caixa", salientou.

Se o futuro da Caixa Geral de Depósitos "correr bem -- e vai correr --, corre bem para o sistema bancário português, corre bem para Portugal", concluiu.

Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se, por outro lado, a fazer considerações sobre a reunião, hoje, do Conselho de Concertação Social e sobre o salário mínimo nacional.

"Vamos ver, não vale a pena agora fazer conjeturas", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.