Marcelo despede-se de militares de partida para missão Sophia a bordo do Arpão

33 militares vão participar numa missão europeia de controlo de imigrantes, a bordo de um submarino

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, despediu-se esta segunda-feira dos 33 militares que vão participar na missão militar da União Europeia Sophia, de controlo de imigrantes, a bordo do submarino "Arpão", no Mar Mediterrâneo.

Ao lado do ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, e do chefe do Estado Maior da Armada, almirante António Silva Ribeiro, o chefe de Estado falou aos militares, oficiais e praças, que se juntaram no refeitório do submarino, no regresso do Arpão de uma missão de quase duas horas, ao largo de Cascais, Lisboa.

A vossa missão "é muito importante", disse o Presidente da República, enquanto o navio adornava, desafiando o equilíbrio de Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.