Portugueses testam 'vacina' contra cancro do pulmão

Carlos Morna, 72 anos, faz parte de um grupo doentes que está a testar, nos hospitais de Coimbra, uma 'vacina' contra o cancro do pulmão.

"A imunoterapia é uma das grandes apostas e traz muita esperança para os próximos anos. Funciona como uma vacina. Pretende-se que estimule os linfócitos, que são as defesas do corpo, e que estes matem as células do cancro", explica ao DN Fernando Barata, diretor do serviço de pneumologia do hospital dos Covões (Centro Hospitalar Universitário de Coimbra).

O que se quer, não é diferente do que as nossas defesas já fazem quando surge uma gripe. O novo tratamento vai ser debatido no 6º Congresso Português do Cancro do Pulmão, que começa hoje. O primeiro ensaio clínico de fase III com imunoterapia em Coimbra arrancou com quatro doentes.

O médico vai também apresentar o primeiro estudo realizado em Portugal que mostra a percentagem de doentes com cancro avançado que têm a mutação do recetor do fator de crescimento epidérmico (EGFR).

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.