Portugueses são mais sedentários que os americanos

Os americanos são vistos habitualmente como consumidores de fast-food, avessos ao exercício físico e sedentários. Tudo isso pode ser verdade, mas os portugueses são ainda mais sedentários do que os americanos, segundo estudos recentes feitos em Portugal.Segundo um estudo de 2012, "os portugueses passam mais de nove horas por dia em comportamentos sedentários, quando os americanos passam oito", disse hoje a professora Analiza Silva, da Faculdade de Motricidade Humana.

Os impactos para a saúde são inegáveis, mesmo para quem uma vida ativa, ou seja, cumpre os mínimos de 30 minutos de atividade moderada cinco vezes por semana.

Numa sessão sobre alimentação, sedentarismo e atividade física, no Congresso Português de Cardiologia, Analiza Silva diz que a atividade leve tem sido subestimada e que, entre duas pessoas ativas, se uma tiver comportamentos sedentários irá, a prazo, "acumular mais massa gorda e ter risco maior de desenvolver obesidade".

Os efeitos do sedentarismo muitas vezes são esquecidos em pessoas que se consideram ativas, mas mesmo com uma atividade física intensa, quem passa horas sentado a uma secretária ou a ver televisão, correr mais riscos de "desenvolver co-morbilidades, como diabetes, hipertensão ou obesidade.

Um estudo canadiano de 2007, por exemplo, conclui que o risco de se morrer por todas as causas é sempre maior em pessoas que passam muito tempo sentada. Claro que é menor, ainda assim, em quem pratica mais exercício físico.

Que soluções? Se mesmo quem faz 300 minutos de exercício por semana não está imune, há formas de contornar o problema. "Existe um estudo apenas que mostra os efeitos de se interromper o padrão. Uma pessoa pode ver a resistência à insulina e a sua condição piorar em 20% se passar cinco horas sentadas pós a refeição. Mas se interromper de 20 em 20 minutos, levantando-se pelo menos dois minutos, pode ser suficiente", diz a médica.