Portugueses consomem em média 2,7 medicamentos por mês

No Dia Mundial da Saúde, a DECO faz o retrato do consumo de medicamentos em Portugal

Vinte e cinco euros é o custo médio dos cerca de 2,7 medicamentos que os portugueses tomam mensalmente, de acordo com um inquérito da DECO PROTESTE, em que participaram cerca de duas mil pessoas.

Dos quatro países inquiridos, Portugal é o que mais gasta por mês em medicamentos. Seguem-se Itália e Bélgica (20 euros), e Espanha (10 euros).

O mesmo estudo conclui que cerca de 6 em cada 10 consumidores portugueses preferem medicamentos genéricos.

Os analgésicos (94%) são o fármaco mais presente no armário dos medicamentos no nosso país. Seguem-se os anti-histamínicos (36%), os antidiarreicos e antieméticos (32%), e os ansiolíticos e hipnóticos (30%), que estão cada vez mais presentes.

A DECO PROTESTE destaca, ainda, a qualidade e a clareza da informação prestada aos consumidores, nomeadamente através dos folhetos informativos dos medicamentos. Se é certo que 65% dos consumidores afirmam que os consultam com frequência, este número está a diminuir progressivamente.

Para inverter este declínio, a defesa do consumidor considera fundamental tornar o folheto mais claro e mais adequado ao nível de literacia dos consumidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.