Portuguesa morre em grave acidente de viação com pesado em França

Pesado conduzido pela mulher saiu da estrada e caiu numa vala. Condutora morreu no embate e marido ficou gravemente ferido.

Uma portuguesa com cerca de 50 anos morreu hoje num grave acidente de viação na saída da autoestrada francesa A2 para a cidade de Cuvillers, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades, José Cesário.

Segundo o secretário de Estado, a portuguesa viajava acompanhada pelo marido, que se encontra internado no Hospital de Cambrai. "A situação está a ser seguida pelo cônsul em Paris", acrescentou o secretário de Estado.

O "terrível acidente" ocorreu cerca das 13:00 de Lisboa (14:00 em França) no sentido Paris-Valenciennes da A2, um pouco antes das portagens de Thun-l'Évêque, quando o pesado conduzido pela portuguesa saiu da estrada e caiu numa vala junto à cidade de Cuvillers, refere edição digital do jornal La Voix Du Nord. A condutora, uma portuguesa com cerca de 50 anos, terá morrido logo após o embate, acrescenta.

As fotos que acompanham a notícia mostram um camião praticamente desfeito pela intensidade do embate. Veja o vídeo do La Voix Du Nord:

A portuguesa viajava com o marido, que ficou gravemente ferido no acidente e foi transportado para o centro hospital de Cambrai pelos bombeiros locais.

O camião, de matrícula espanhola, transportava peças metálicas. Antes de sair da estrada, terá rebentado com os "rails" de proteção e caído numa vala.

De acordo com o La Voix Du Nord, foi preciso cerca de uma hora para os 15 bombeiros que acorreram ao local desencarcerarem o marido da condutora, cuja nacionalidade não é referida na notícia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.