Português na Comissão de Limites das Nações Unidas

Engenheiro hidrógrafo participou desde o início na preparação da proposta de alargamento da plataforma continental portuguesa.

O português Aldino Campos vai integrar a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) das Nações Unidas para o período 2017-2022, que será eleita no mês de junho, soube o DN.

A sua eleição já está assente por ter sido o único dos potenciais interessados do Grupo Europa Ocidental e Outros (WEOG, sigla em inglês) que formalizou a sua candidatura, explicou ao DN o professor Manuel Pinto Abreu, antigo secretário de Estado do Mar.

Engenheiro hidrógrafo, antigo oficial da Marinha, Aldino Campos vai ser um dos 21 membros da futura CLPC, da qual será sairá a subcomissão de sete peritos que terá a responsabilidade de analisar a proposta portuguesa nos planos jurídico e científico - e da qual o comandante português está automaticamente excluído.

A votação dos novos membros da CLPC vai ter lugar entre os dias 12 e 16 de junho deste ano, durante a 27ª reunião dos países que integram a Convenção das Nações Unias sobre a Lei do Mar, segundo informação disponível na página da ONU na Net.

Aldino Manuel dos Santos de Campos, 49 anos, integrou desde o início as equipas responsáveis pela preparação e elaboração da proposta portuguesa de extensão da plataforma continental - que liderou entre 2012 e 2016.

Quanto à análise da proposta portuguesa, que foi entregue em 2009 e ainda vai ser atualizada com os novos dados recolhidos nos últimos anos pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental, a subcomissão da ONU começa a apreciá-la em agosto. O processo, que se prevê terminar em 2019, envolve perguntas e respostas escritas entre as partes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.