"Portugal não tem uma cultura de segurança"

O presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), António Nunes, considera que somos um país em que as regras de segurança que deveriam pender sobre as funções não são postas em causa porque a avaliação do risco é muito baixa. E afirma que com a sofisticação tecnológica já não há comunicações seguras.

Considera adequado o nível de segurança nas comunicações entre agentes do Estado?

Não se pode dizer que haja uma rede no governo segura para todos os seus membros e para todas as situações, quer seja a fixa quer seja a móvel. Mas com os equipamentos sofisticados que existem no mercado é quase impossível garantir a pureza da comunicação. Mesmo dois ministros a conversarem ao almoço podem ser escutados. Não há comunicações seguras! Ponto. Quando existem situações que exigem a máxima segurança nacional, as decisões têm de ser tomadas fora de locais públicos.

Mas há uma falta de cultura de segurança em Portugal ou não?

Os membros do governo não andam em carros blindados, não têm gabinetes seguros e continuam a morar nas suas casas. Isto é inimaginável noutros países. E Portugal tem uma falta de cultura de segurança porque a avaliação do risco, por parte das entidades competentes, é baixa. A questão das comunicações até é a de menor importância.

Mas qual a razão para essa avaliação de risco ser tão baixa?

A função determina um conjunto de regras mas nós não temos essa prática. O Presidente da República e o primeiro-ministro não podem viajar no mesmo avião por questões de segurança, mas podem estar 365 dias em risco de morrerem os dois ao não terem segurança reforçada nos seus gabinetes, nos seus carros e nas suas casas, mesmo em caso de um sismo. Ou se faz segurança ou não se faz!

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.