Portugal já tem Banco de Sangue Veterinário

O Hospital Veterinário do Porto criou o primeiro banco de sangue no País para cães e gatos. Director clínico apela à doação.

Calmo, simpático, saudável, devidamente vacinado e desparasitado, sem sinais de doenças infecciosas, com idade entre os um e oito anos e com mais de 25 kg, se for cão, e 3,5 se for gato. São estes os requisitos que os animais têm de preencher para se tornarem dadores de sangue. O Hospital Veterinário do Porto criou o primeiro banco de sangue em Portugal que, à semelhança do Instituto Português do Sangue, disponibiliza o que for necessário para clínicas e hospitais veterinários em todo o País.

No hospital há agora um espaço próprio para o efeito, com todo o equipamento necessário para a recolha, processamento e armazenamento de componentes sanguíneos. Foi, inclusive, formado um médico veterinário especificamente para esta área. "Sentimos a obrigação de melhorar as condições de colheita, processamento e armazenamento de componentes sanguíneo e é nesse sentido que surgiu o banco de sangue", explicou, através de um comunicado, Mário Santos, director clínico do Hospital Veterinário do Porto.

O responsável apela agora que os donos dos animais contribuam para a recolha de sangue nos seus cães e gatos: "Sem dúvida que o destaque desta iniciativa recai sobre o empenho e disponibilidade dos proprietários dos nossos cães e gatos dadores, que se revelam num acto altruísta e fraterno, demonstrando o verdadeiro amor pelos animais."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.