Portugal é o terceiro país da UE com o índice de fecundidade mais baixo

Em 2016, só nasceram menos bebés em Espanha e Itália

Portugal foi o terceiro país da União Europeia (UE) onde o índice de fecundidade foi mais baixo em 2016, atrás apenas de Espanha e Itália, indicou esta quarta-feira o Eurostat.

Segundo o gabinete de estatísticas da União Europeia, o índice de fecundidade em Portugal foi de 1,36 nascimentos por mulher, um número só 'superado' por Espanha e Itália, que registaram 1,34. A média comunitária estabeleceu-se em 1,60 nascimentos por mulher em 2016.

Os dados hoje publicados indicam que, em 2016, nasceram 5,148 milhões de bebés no espaço comunitário, mais do que no ano anterior, quando foram registados 5,103 milhões.

De acordo com o Eurostat, na UE, mais de 80% dos nascimentos (81,9%) foram de um primeiro ou segundo filho, com os terceiros filhos a terem um peso de 12,2%. Em Portugal, a percentagem de primeiros filhos foi de 52%, de segundos de 36,2% e de terceiros de 8,7%.

Em média, as mulheres europeias tiveram o seu primeiro filho aos 29 anos, enquanto a idade média da mãe portuguesa na estreia na maternidade é de 29,6 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".