Portugal estabilizou e dois anos depois é outro país

O Presidente da República compareceu à inauguração da terceira edição da feira de arte contemporânea Arco, em Lisboa, e comparou a evolução dos certames e do país

O Presidente da República considera que Portugal estabilizou nos últimos dois anos e é agora outro país, comparando a terceira edição da feira de arte contemporânea Arco em Lisboa com a primeira, de 2016.

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante a inauguração oficial da "ARCOLisboa 2018", na Cordoaria Nacional, em Lisboa.

Recordando o momento da primeira edição portuguesa da feira internacional de arte contemporânea de Madrid, na "transição da primavera para o Verão de 2016", o chefe de Estado afirmou que "a memória das pessoas é curta, mas aqueles tempos eram tempos ainda de incógnita, de dúvida".

No seu entender, entretanto, "Portugal ultrapassou as dificuldades financeiras e económicas" e "a estabilização económica e financeira e política e institucional permitiu novos alicerces, mais fortes bases para a projeção cultural".

"Dois anos depois -- não é dez anos depois, não é vinte anos depois -- parece que estamos noutro país e parece que estamos noutra Arco", prosseguiu, considerando: "Mas estamos mesmo. Estamos mesmo noutro país e estamos mesmo noutra Arco".

A visão do presidente sobre a crise no Sporting

Em seguida, enquanto visitava as dezenas de galerias da exposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre o anúncio feito pelo primeiro-ministro, António Costa, da criação de uma autoridade nacional contra a violência no desporto, mas não quis voltar ao tema das agressões a jogadores e equipa técnica do Sporting na Academia de Alcochete.

"Eu hoje sobre matéria de violência no desporto já falei uma vez. É uma violência para mim falar segunda ou terceira vez no mesmo dia", justificou.

O Presidente da República escusou-se, por isso, a responder se já decidiu se irá ou não estar presente na final da Taça de Portugal, entre o Sporting Clube de Portugal e o Desportivo das Aves, no domingo, no Estádio Nacional.

"Eu disse que, quando decidisse, se decidisse falar, falaria. Mas há mais dias além de hoje. Aqui estamos na Arco, é outra arte. Não é que o desporto não seja uma arte, mas aqui é outra arte", acrescentou.

No discurso que fez nesta inauguração, Marcelo Rebelo de Sousa apontou a criação da feira internacional de arte contemporânea de Madrid, nos anos [19]80, como "um sinal da potência, da capacidade de afirmação e da projeção cultural da Espanha na Europa e no mundo" pós-democracia.

"A Arco em Portugal arrancou muito mais tarde, mas também arranca num momento que não é ocasional", referiu, relatando que em 2016 o comité executivo espanhol manifestava "dúvidas ainda sobre se [esta iniciativa] teria sucesso, dependendo da evolução económica e financeira de Portugal".

Segundo o Presidente da República, da parte espanhola "havia uma solidariedade que esperava por confirmação" e efetivamente "chegou a confirmação".

O chefe de Estado disse que, quando estiver com o rei de Espanha, Felipe VI, na segunda-feira, em Salamanca, lhe dará conta de "como deu certo, como é um sucesso" a Arco em Lisboa, e prognosticou a esta feira décadas de existência e expansão.

Nesta intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa lamentou que o preço das obras de arte exibidas na Arco esteja atualmente fora do seu alcance.

Depois, durante a visita à exposição, o Presidente destacou duas peças que gostaria de comprar, "uma pequena obra de um artista português, que custava dois mil euros" e "era comprável, apesar de tudo" e outra da qual nem perguntou o preço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.