"Portugal é o segundo país que mais depende da UE para investimento público"

O eurodeputado entende que entre os projetos mais emblemáticos em que Portugal deverá envolver-se num futuro próximo está uma plataforma de energia que permita juntar forças com Espanha e França

O investimento público não deve ficar refém da Europa, diz José Manuel Fernandes. O eurodeputado, que participa na Conferência "Infraestruturas" que arranca com a celebração do 153º aniversário do DN, lembra que atualmente "apenas a Croácia" tem um investimento público mais dependente da União Europeia do que Portugal. "Afinal, para que serve o Orçamento do Estado?", questiona o representante nacional no Parlamento Europeu.

"Não podemos ficar só dependentes dos fundos estruturais. Portugal é o segundo país da Europa que, entre 2015 e 2017, é mais depende da UE para Investimento público. É impressionante, mas mais 75% do orçamento depende da UE", detalhou esta segunda-feira.

"Afinal para que serve também o Orçamento do Estado? Só a Croácia tem mais que nós. E um orçamento que é pequeno, que corresponde a 1% do PIB", questionou, acrescentando que "nós temos também de começar a dizer o que queremos fazer com o nosso OE em termos de financiamento porque é uma discussão que está esquecida e é completamente inaceitável".

O eurodeputado do PSD adverte, no entanto, que Portugal deve também olhar para o papel do Banco de Fomento, numa altura em que se programa o novo quadro comunitário de apoio muito baseado em linhas de financiamento. "Nós estamos a ser criminosos ao não utilizarmos o Banco de Fomento. Porque o futuro dos próximos fundos, muito do que vão ter, são os instrumentos financeiros, e os países que não têm bancos de desenvolvimento com experiência terão de avançar para isso".

José Manuel Fernandes entende que entre os projetos mais emblemáticos que Portugal em que deverá envolver-se num futuro próximo está uma plataforma de energia que permita juntar forças com Espanha e França. "A união de energia, Portugal como porta de entrada de gás natural, por exemplo. Era um esforço que devíamos fazer", mas também uma plataforma José Manuel Fernandes: "Portugal é o segundo país que mais depende da UE para investimento público"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.