Portugal e Egito partilham "algumas das mesmas ameaças e desafios"

Ministro da Defesa participou com o presidente do Egito numa conferência sobre "Segurança, terrorismo e Estado de Direito".

O ministro Azeredo Lopes exprimiu ao Presidente do Egipto, Abdel Fattah El Sisi, "a solidariedade e amizade, sem falhas, de Portugal" no combate contra o terrorismo.

"Num mundo em que todos partilhamos algumas das mesmas ameaças e dos mesmos desafios", disse o titular da pasta da Defesa, as Forças Armadas são um "instrumento fundamental da política externa do Estado" também nesse domínio.

Azeredo Lopes intervinha numa conferência sobre "Segurança, terrorismo e Estado de Direito", organizada pelo Instituto Universitário Militar (Lisboa) e onde o presidente egípcio foi o orador convidado.

O presidente El Sisi enfatizou a importância de "pensar em conjunto as razões que levaram ao terrorismo e fazer de tudo para proteger a vida dos cidadãos", o que exige um esforço conjunto da comunidade internacional.

"Temos de enfrentar de uma forma firme e a uma só voz" aquela ameaça, pois "se não atuarmos j+a, a situação será muito complicada", sublinhou o chefe do Estado egípcio.

"As ideias do terrorismo são todas fascistas" e os grupos que as promove m "não conseguem viver em tolerância nem aceitar o outro", adiantou Abdel Fattah El Sisi, concluindo: "Enfrentar estes grupos de forma ideológica e firme é o mais importante".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.