Portugal é dos mais infelizes, mas dá mais sentido à vida

Portugueses são os segundos menos satisfeitos com a vida na União Europeia. Mas ficam acima da média no sentido de vida. Saúde e emprego são determinantes para se ser feliz.

No país do fado e da saudade, a satisfação com a vida não vai além dos 6.2, numa escala de 0 a 10. Pior do que Portugal só a Bulgária (4.8), mostram os dados divulgados pelo Eurostat a propósito do Dia Internacional da Felicidade, que se assinala hoje. Do lado oposto, os países nórdicos confirmam a descoberta do elixir da felicidade. Suécia, Finlândia, Dinamarca chegam aos 8.0.

A felicidade depende das condições de saúde, da situação financeira e das relações sociais. Fatores que podem ajudar a compreender a posição de Portugal neste ranking. Isso, e a mentalidade do "vamos andando", sublinha o sociólogo e conselheiro de Estado, Alfredo Bruto da Costa. Já que, nem só a crise pode ter justificado essa posição, uma vez que a Irlanda (o primeiro país da UE a pedir assistência) está entre os países mais felizes, com um nível de 7.4. - acima da média da UE que é de 7.1.

A acompanhar o desânimo nacional estão a Grécia, o Chipre e a Hungria que deram a mesma nota à sua satisfação geral com a vida. Em termos globais, apenas 21.7% dos europeus estavam altamente satisfeitos com a sua vida (os que atribuíram nota 9 ou 10 nas suas respostas), enquanto que a esmagadora maioria (57,4%) colocou a sua satisfação em relação à vida nos níveis médios (entre o 6 e o 8).

Os dados recolhidos em 2013 refletem ainda as três dimensões do bem-estar subjetivo: "satisfação com a vida, com base em uma avaliação cognitiva global; afetos, ou a presença de sentimentos positivos e ausência de sentimentos negativos; e eudaimónica, a sensação de que a vida tem um sentido", explica o documento do gabinete de estatística da União Europeia (UE).

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...